• Informe-se
  • Notícias da PRT1
  • “O trabalho não pode ser considerado mercadoria ou artigo de comércio” destaca procurador-chefe do MPT-RJ

MPT apoia campanha para o combate ao tráfico de seres humanos

O combate ao tráfico de seres humanos no Rio de Janeiro ganhou mais um reforço com o lançamento da campanha do Movimento GiftBox 2014, que pretende alertar à população para denunciar esse tipo de crime. A campanha foi lançada nesta quinta-feira (5), no Cristo Redentor, pela Secretaria Estadual de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH) com apoio do Ministério Público do Trabalho (MPT). Uma das metas é usar o período de Copa do Mundo para atingir o maior número de pessoas.

Para a procuradora do Trabalho Juliane Mombelli, que representou o MPT no evento,  essa campanha é importante porque dá  visibilidade grande nesse tema. “Temos casos de pessoas sequestradas para exploração sexual, para retirada ilegal de órgãos humanos para o comércio ilegal e de escravidão. Isso mostra a importância do engajamento da comunidade global”, disse ela, que é também coordenadora regional de Erradicação do Trabalho Escravo do MPT.

A campanha, realizada em parceria  com a Igreja Católica, tem material escrito em três idiomas (português, inglês e espanhol), que será distribuído para a população. São  usadas frases simples para mostrar o perigo do aliciamento de pessoas, a partir de promessas fáceis de viagens de ganhos rápidos de muito dinheiro como  “nem tudo que reluz é ouro.”

O governo do Rio de Janeiro também assinou ontem o decreto instituindo o Plano Estadual de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas, elaborado pelo comitê estadual. Ele prevê diversas ações a serem realizadas em todo o estado. Entre as iniciativas estão a realização de um diagnóstico estadual desse fenômeno, um mapeamento dos serviços envolvidos com o tema, além da elaboração de um banco de dados.

Com informações da SEASDH-RJ

Imprimir